Brisa da Tarde | Curtindo a Vida em Família

Profissão: Advogada

Oi, gente!

Tudo bem com vocês? Aqui está tudo bem!

Hoje, resolvi escrever um pouquinho sobre a minha profissão: a Advocacia. Bom, vamos voltar um pouquinho no tempo… Quando eu estava no Ensino Médio, o Direito não era uma das minhas opções. Como fiz curso de inglês durante muitos anos e sempre fui apaixonada por viagens, quis seguir alguma profissão que eu pudesse unir essas duas paixões. Então, fiz diversos vestibulares para Turismo. Consegui passar em duas faculdades na época, mas acabei optando pela faculdade mais perto da minha casa, a UMC.

Três dias antes das aulas começarem, o curso de Turismo da UMC fechou por falta de alunos. Os responsáveis pelo curso me ligaram para falar o que havia acontecido e me disseram para comparecer à universidade o quanto antes. Fui lá na mesma hora. Chegando lá, a universidade me ofereceu todos os cursos disponíveis, menos Odontologia e Medicina. Não sabia o que fazer! A minha família me orientou a cursar Direito porque, segundo ela, tinha mais campo profissional. Bom, e foi assim que comecei o curso de Direito: por orientação da família.

No começo, não estava empolgada com as aulas, mas, ao longo dos anos, comecei a gostar de algumas áreas como Direito Penal, Direito Internacional e Direito de Família. Sempre tive dificuldades em Direito do Trabalho, Direito Administrativo e Direito Tributário.

Ao sair da faculdade, decidi que me especializaria em Direito Penal, tanto que foi a área que me fez passar no Exame de Ordem (já falei sobre isso neste post).

Advogando

direito

Com a Carteira da Ordem em mãos, comecei a trabalhar no escritório do meu pai. Como todo advogado recém-formado, me inscrevi na Assistência Judiciária da minha Subsecção e em uma lista de advogados correspondentes (são pessoas que se inscrevem para atuarem em pequenas diligências ou em audiências). Para quem não sabe, nos locais em que não existe Defensoria Pública, os advogados inscritos na Assistência Judiciária atuam para defender os interesses das pessoas que não têm como pagar as custas e despesas de um processo, bem como os honorários de um advogado.

No ano seguinte, comecei a trabalhar na Prefeitura de uma cidade vizinha, onde estou até hoje. Imaginem uma pessoa que não gostava de Direito Administrativo trabalhando justamente com essa área? Pois é! Essa pessoa sou eu! Tive de aprender na marra a advogar nessa área. A primeira área em que trabalhei foi em execução fiscal (olha o Direito Tributário aparecendo na minha vida). Não sabia nada! Aos poucos, fui me familiarizando com as áreas e aprendendo sobre elas.

Hoje, atuo com Direito Administrativo, Direito do Trabalho (quem diria?), Direito Civil e Direito Constitucional. Não trabalho mais no escritório porque não dá tempo. Tenho saudades de atuar com Direito Penal porque é uma área apaixonante! São ossos do ofício, infelizmente!

O que aprendi com o passar dos anos?

Com o passar dos anos, posso dizer que aprendi tudo aquilo que não me ensinaram na época da faculdade. Quem está pensando em começar uma faculdade de Direito ou já está cursando-a, saiba que, somente quando você realmente estiver trabalhando como advogado(a), você realmente aprenderá a profissão. Infelizmente, a faculdade não prepara o aluno para o mercado de trabalho e, muito menos, ensina os "macetes" da profissão.

Muitas coisas, eu aprendi pesquisando (em todos os lugares possíveis: livros, internet, legislações, revistas especializadas, jornais, blogs diversos, cursos, etc.), conversando com profissionais mais experientes do que eu, tendo jogo de cintura na hora de colocar as ideias em uma petição, etc. Além disso, muitas coisas você vai aprender na marra: levando chuletada com "orientações simpáticas" de juiz em despacho/decisão/sentença (é cada uma que eu já li que acredito que daria um livro), vendo processos no balcão do cartório, lendo petições de outros advogados, entre outras maneiras.

livros

Se você não souber responder a uma pergunta de cunho profissional ou precisar atuar em uma área desconhecida, não sinta vergonha de dizer que não sabe. Diga que não sabe, mas que estudará o caso com afinco para resolver a questão. Ninguém nasce sabendo!

Também aprendi que, mesmo sendo um profissional especializado, com mestrado, doutorado e afins, nunca devemos desprezar as pessoas que, segundo elas, "não conhecem de leis". Vejo tantos profissionais fazendo isso que eu me sinto mal! Acredito que podemos aprender tantas coisas com pessoas de outras áreas e, até mesmo, com aquelas pessoas simples, que não tiveram a oportunidade de estudar como nós. Lembre-se disso: nunca se vanglorie do caminho percorrido e, muito menos, se sinta superior a ninguém! É muito feio!

O que você quer saber?

Como vocês já viram aqui no blog, existe a coluna Direito em que falo sobre diversos assuntos relacionados à área. Se você tiver alguma dúvida sobre qualquer questão jurídica, clique em Contato e mande a sua pergunta para mim. A sua dúvida pode ser a mesma de muitas pessoas. Quem sabe a sua dúvida não seja uma ideia para um texto bem legal aqui no blog!

Um grande beijo para vocês!

Comente

comments

Data de início da licença-maternidade – permanência maior no hospital
Direitos do Nascituro
12 direitos do consumidor que você tem e não sabe
6 comentários
  • Carol Justo

    Eu pretendo cursar direito ou psicologia, são dois cursos que eu sou apaixonada e sei que com o conhecimento eu vou conseguir ajudar muitas pessoas. Gostei muito de ler sobre o assunto no seu blog

    Carol | Pink is not Rose
    Carol Justo postado recentemente…Lembra a minha adolescência (+ fotos constrangedoras)My Profile

    Responder
    • Fernanda

      Oi, Carol!

      Fico feliz por saber que o post tem ajudado as pessoas a conhecerem um pouco mais sobre a carreira!

      Beijinhos

      Responder
  • Wilson

    Excelente matéria Dra, Parabéns!!

    Responder
  • Marco

    Muito bom o seu blog, passo sempre por aqui para dar uma olhada.

    Concordo contigo, se não soubermos responder uma pergunta de cunho profissional, não devemos ter medo ou vergonha de assumir que não sabemos, é melhor fazer assim do que responder de forma indevida e prejudicar um cliente.

    Responder
    • Fernanda

      Muito obrigada!!

      Eu também acho!!

      Abraços

      Responder
Acompanhe as nossas notícias

Assine

Close